Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página Inicial > Notícias > Acessibilidade é tema de pesquisa no Campus
Início do conteúdo da página Notícias

Acessibilidade é tema de pesquisa no Campus

Estudantes de cursos técnicos participaram de estudo sobre adaptação de espaços públicos em Mangabeiras a pessoas com necessidades especiais.
  • Assessoria de Comunicação
  • publicado 01/08/2017 15h04
  • última modificação 01/08/2017 15h04

Estudante ajuda colega em cadeira de rodas a subir uma calçadaQuais condições de acessibilidade encontram as pessoas com deficiência em São Raimundo das Mangabeiras? A fim de investigar essa questão, estudantes do campus do IFMA no município realizaram pesquisa em diversos espaços públicos da cidade. A atividade ocorreu durante o mês de junho, envolvendo alunos do 3º ano do Ensino Médio dos cursos técnicos em Informática e Agropecuária do Campus Mangabeiras.

“É importante frisar que o processo de ensino-aprendizagem desenvolvido de forma contextualizada e mais próxima da realidade dos alunos tende a contribuir de fato para uma práxis educativa crítica e reflexiva”, disse a professora Ana Paula Soares de Andrade (Educação Física), que coordenou a visita técnica. A respeito da pesquisa, ela considerou ainda que foi perceptível o fato de muitos espaços visitados ainda não estarem adaptados para a acessibilidade das pessoas com deficiência. Ao simularem uma situação de deficiência visual, por exemplo, os alunos do Campus Mangabeiras não encontraram tradutores da Linguagem Brasileira de Sinais (LIBRAS).

Ana Paula de Andrade ressaltou o interesse demonstrado pelos estudantes para participar da atividade. Após a pesquisa de campo, os participantes fizeram um debate em sala de aula, quando os alunos destacaram como ponto positivo a experiência de trabalhar fora do ambiente escolar. No entanto, as turmas apontaram a necessidade de dispor de mais tempo para o aprimoramento da iniciativa.

Para Emanuelle Lemos, do curso técnico em Informática, a visita técnica para além da sala de aula permitiu aos participantes conhecer a realidade da comunidade em que estão inseridos, dando-lhes a oportunidade de sair do próprio lugar. “Foi, sobretudo, uma experiência que nos levou a indagar qual nosso papel na construção de um mundo melhor para as pessoas com deficiência”, refletiu a estudante.

Graduada em Educação Física pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Ana Paula de Andrade fez na mesma instituição o curso de especialização em Gestão Pública Municipal, desenvolvendo estudos sobre os desafios para implementar uma educação inclusiva na gestão educacional de uma escola de ensino fundamental de tempo integral em Teresina (PI). Pelo programa de Mestrado da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), a docente investigou o impacto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) na área de Educação Física na formação de alunos bolsistas e na prática pedagógica de professores supervisores.

Ana Paula de Andrade também integra o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Corporeidade e Pedagogia do Movimento (NUCORPO), da UFTM, que tem o objetivo de pesquisar sobre esses temas na formação e atuação de professores.

Fim do conteúdo da página